Princesa e Cavaleiro

 Pois ele foi um cara desses aí. Lia histórias de que gostava e outras que não.
 Tinha fé ano após ano no que entendia, no momento, que deveria ter fé. Trabalho melhor. Curso para trabalho melhor. Vida melhor. Relacionamento para vida melhor.
 Tinha suas músicas prediletas. Gostava de ouvir para sentir a paixão. De alguns estilos bem específicos, queria ser punk e Legião Urbana. Grunge e Cazuza. Queria se identificar. Ou demonstrar sua identificação?
 Havia parado de rabiscar frases nos cantos das folhas para ser adulto. Era um homem de bem, como sua mãe dizia. Era franco, por natureza e opção. As mentiras que contava não lhe suportavam por muito tempo.
Gostar de uma garota só, aquela que só ele gostava. E só ele gostava como podia gostar. Amava na sua condição de amante da garota. Sem permitir o transformar disso no que poderia ser. Um bom sexo? Um romance como contavam as fadas? Um relacionamento de eternos cúmplices?
 Não. Apenas o amar a garota. Princesa e cavaleiro.