Mandalas na parede

Era uma garota de coração simples. Queria estar em uma posição de amor. Não uma princesa. Há muito tempo havia abandonado tal instinto. Era amor como natureza. Tinha uma missão como todos aqueles que estão em uma jornada.
Entregou uma flor para um jovem rapaz que caminhava tolhido em direção a porta que dava para a chuva. Eles se olharam. Um olhar de calmaria tão sem fundo que ela teve de se segurar. Houve gratidão, nenhuma palavra.
  Ela se virou de costas e continuou pela rua com seu cesto de flores. Ao longo do caminho, casas alinhadas com jovens tristes na janela. Milhares de centenas de casas se estendiam ao infinito do abismo dos olhos do jovem rapaz.