Do presente, em Ripple

Uma foto publicada por Zeit (@galvesgustavo) em

Diagrama em Ripple


Do presente. O Objeto Percebido não pode ser alcançado enquanto objeto, pois quando "é" , o objeto é outro. Nunca é consumido. Estamos perseguindo algo a ser alcançado que nunca chega. Uma cenoura eterna cenoura amarrada na testa. Que ora é um celular novo, um filme, uma tarefa no trabalho, um problema a resolver, uma sensação, um amor. Existe opção: Podemos oscilar para o passado para a nostalgia ou a culpa, ansiar o futuro ou ter esperança nele. Mas o que interessa é o objeto, próximo passo do pathos. Algo que não existe, ainda. Ou nunca. Os hindus chamam isso de Maya, o véu da realidade